Ir direto para menu de acessibilidade.
Página inicial > Recomendações > RECOMENDAÇÃO Nº 014, DE 14 DE FEVEREIRO DE 2020

WhatsApp Image 2020 02 14 at 13.22.56

Início do conteúdo da página

 logocns

RECOMENDAÇÃO Nº 014, DE 14 DE FEVEREIRO DE 2020

Recomenda a implementação de ações para agilizar a liberação imediata do Registro Geral de Pesca para as comunidades quilombolas e extrativistas afetadas pelo derramamento de petróleo na costa brasileira.
 

O Plenário do Conselho Nacional de Saúde (CNS), em sua Trecentésima Vigésima Sexta Reunião Ordinária, realizada nos dias 13 e 14 de fevereiro de 2020, no uso de suas competências regimentais e atribuições conferidas pela Lei nº 8.080, de 19 de setembro de 1990; pela Lei nº 8.142, de 28 de dezembro de 1990; pela Lei Complementar nº 141, de 13 de janeiro de 2012; pelo Decreto nº 5.839, de 11 de julho de 2006; cumprindo as disposições da Constituição da República Federativa do Brasil de 1988, da legislação brasileira correlata; e

Considerando o que dispõe a Constituição da República Federativa do Brasil de 1988, em especial os seus artigos 196 a 198;

Considerando que o texto constitucional determina que são de relevância pública as ações e serviços de saúde, cabendo ao Poder Público dispor, nos termos da lei, sobre sua regulamentação, fiscalização e controle, devendo sua execução ser feita diretamente ou através de terceiros e, também, por pessoa física ou jurídica de direito privado (Art. 197 da CF/1988);

Considerando o marco normativo que foi a inserção do art. 225 na CF/1988, tendo em vista que a partir dele todos passaram a ter direito ao meio ambiente ecologicamente equilibrado, bem de uso comum do povo e essencial à sadia qualidade de vida, impondo-se ao Poder Público e à coletividade o dever de defendê-lo e preservá-lo para as presentes e futuras gerações;

Considerando que, por força da previsão constitucional, o meio ambiente constitui-se em direito fundamental, pertencente a toda a população, e as condutas e atividades consideradas lesivas ao meio ambiente sujeitarão os infratores, pessoas físicas ou jurídicas, a sanções penais e administrativas, independentemente da obrigação de reparar os danos causados;

Considerando que, no dia 30 de agosto de 2019, o país assistiu à notícia do aparecimento de manchas de petróleo nas praias de Jacumã e Tambaba, no Município de Conde, na Paraíba, que se alastraram ao menos em 126 (cento e vinte e seis) municípios de todos os nove estados do Nordeste, do Espírito Santo e do Rio de Janeiro, e que 1.004 pontos do litoral do país já tiveram registros da poluição;

Considerando que de todas as praias identificadas pelo Instituto Brasileiro do Meio Ambiente e dos Recursos Naturais Renováveis (Ibama), desde o final de agosto de 2019, 570 estão limpas e 434 localidades ainda seguem com vestígios esparsos de contaminação, segundo balanço divulgado em 21 de janeiro de 2020, pelo Ibama;

Considerando que a nota sobre derramamento de petróleo nas praias do Nordeste, lançada pela Fiocruz no dia 31 de outubro de 2019, chama a atenção para o fato de que os dados divulgados sobre os locais atingidos apontam para situações e níveis de contaminação diversos, sendo que diferentes grupos populacionais, como militares e defesa civil, pescadores e marisqueiras, voluntários, entre outros, estão expostos aos riscos de contaminação, seja por inalação, contato dérmico ou ingestão de alimentos contaminados;

Considerando que há necessidade de permanente monitoramento, levando em consideração: a) as denúncias feitas pelas comunidades quilombolas e extrativistas dos agravos à saúde que se avolumam diariamente; b) a real dimensão das consequências dessa tragédia para a saúde humana, animal e ambiental, a curto, médio e longo prazo, ainda que o Ministério da Saúde, até o momento, mantenha avaliação de que o impacto para a saúde pública é baixo;

Considerando que, após o vazamento do petróleo, as comunidades quilombolas e extrativistas, que dependem da pesca para sobreviver, perderam seu sustento uma vez que esses profissionais não estão conseguindo vender seu produto e as famílias não estão tendo renda, caracterizando um atentado contra a soberania e segurança alimentar e nutricional dessas comunidades, já tão ameaçadas pelo racismo ambiental e institucional, impondo a essas populações uma situação de fome;

Considerando o estabelecido na Lei nº 11.959, de 29 de junho de 2009, que em seu art. 24 define que “Toda pessoa, física ou jurídica, que exerça atividade pesqueira bem como a embarcação de pesca deve ser previamente inscrita no Registro Geral da Atividade Pesqueira – RGP”;

Considerando que, conforme categorias descritas no Decreto nº 8.425, de 31 de março de 2015, deverá ser concedida Licença para pescador e pescadora profissional artesanal e pescador e pescadora profissional industrial, pelo Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento;

Considerando que a Medida Provisória nº 908/2019 determinou a concessão de benefícios aos pescadores que tiveram suas atividades afetadas pelo derramamento do óleo na costa brasileira, com Registro Geral de Pesca (RGP), e as dificuldades que as comunidades têm enfrentado para receberem este benefício por conta da demora ou paralisação na emissão dos seus registros;

Considerando que, além de todas as questões acima elencadas, houve uma negligência por parte governo federal na tomada de medidas necessárias e oportunas, uma clara consequência do desmonte de órgãos de controle social fundamentais para a mobilização e articulação da sociedade e do poder público para o enfrentamento de tragédias dessa magnitude, a exemplo do Conselho Nacional de Segurança Alimentar e Nutricional (CONSEA); do Conselho Nacional de Assistência Social (CNAS); do Conselho Nacional de Direitos Humanos (CNDH); e do Conselho Nacional do Meio Ambiente (CNMA);

Considerando que o Plano Nacional de Contingência para Incidentes de Poluição por Óleo (PNC) foi acionado tardiamente, e

Considerando a necessidade da promoção de territórios saudáveis e sustentáveis nas comunidades quilombolas e extrativistas.

Recomenda

Ao Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento:

  1. Que implemente ações para agilizar a liberação imediata do Registro Geral de Pesca (RGP) para as comunidades quilombolas e extrativistas, que dependem da pesca para sobreviver, e que tiveram as suas atividades afetadas pelo derramamento de petróleo bruto na costa brasileira; e
  2. Que, a partir da relação nominal dos pescadores com protocolo de registro inicial junto às Superintendência Federal de Agricultura, Pecuária e Abastecimento nos estados afetados, e das informações do Instituto Nacional do Seguro Social (INSS) sobre a relação de pescadores profissionais artesanais que apresentaram requerimento de seguro-desemprego (defeso), apresente um plano de ampliação do cadastramento (RGP) a fim de destinar a concessão do benefício à todas as trabalhadoras e trabalhadores que, embora não cadastrados, tiveram as suas rendas familiares comprometidas.

Plenário do Conselho Nacional de Saúde, em sua Trecentésima Vigésima Sexta Reunião Ordinária, realizada nos dias 13 e 14 de dezembro de 2020.

Fim do conteúdo da página