Ir direto para menu de acessibilidade.
Página inicial > Recomendações > RECOMENDAÇÃO Nº 001, DE 24 DE JANEIRO DE 2020

WhatsApp Image 2020 02 14 at 13.22.56

Início do conteúdo da página

 logocns

RECOMENDAÇÃO Nº 001, DE 24 DE JANEIRO DE 2020

Recomenda medidas acerca de possíveis alterações estruturais na Agência Brasileira de Desenvolvimento Industrial (ABDI) e no Instituto Nacional da Propriedade Industrial (INPI).

O Plenário do Conselho Nacional de Saúde (CNS), em sua Trecentésima Vigésima Quinta Reunião Ordinária, realizada nos dias 23 e 24 de janeiro de 2020, em Porto Alegre/RS, durante as atividades do Fórum Social das Resistências, no uso de suas competências regimentais e atribuições conferidas pela Lei no 8.080, de 19 de setembro de 1990; pela Lei no 8.142, de 28 de dezembro de 1990; pela Lei Complementar no 141, de 13 de janeiro de 2012; pelo Decreto no 5.839, de 11 de julho de 2006; cumprindo as disposições da Constituição da República Federativa do Brasil de 1988, da legislação brasileira correlata; e

Considerando o disposto na Constituição Federal de 1988, em especial o previsto no Art. 228, segundo o qual o Estado promoverá e incentivará o desenvolvimento científico, a pesquisa, a capacitação científica e tecnológica e a inovação;

Considerando os termos da Convenção da União de Paris, de 1883, da qual o Brasil é signatário original, tendo aderido à Revisão de Estocolmo em 1992;

Considerando a Lei no 11.080, de 30 de dezembro de 2004, que instituiu o Serviço Social Autônomo denominado Agência Brasileira de Desenvolvimento Industrial (ABDI), e dá outras providências;

Considerando a Lei no 5.648, de 11 de dezembro de 1970, que criou o Instituto Nacional da Propriedade Industrial (INPI) e dá outras providências, bem como a Lei no 9.279, de 14 de maio de 1996, que regula direitos e obrigações relativos à propriedade industrial;

Considerando o disposto na Lei no 9.610, de 19 de fevereiro de 1998, que, entre outras coisas, alterou, atualizou e consolidou a legislação sobre direitos autorais;

Considerando que o Governo Federal está propondo Medida Provisória para transformação da ABDI em Agência Brasileira de Desenvolvimento e Propriedade Industrial (ABDPI) e a extinção do INPI, com incorporação de suas competências à nova agência proposta (no formato de Serviço Social Autônomo);

Considerando que a justificativa para tal proposta é o enxugamento da máquina pública federal, com a criação de estrutura que permitirá maior eficiência na atuação/melhoria da capacidade operacional tanto do INPI como da ABDI, para cumprimento mais efetivo da missão de ambas as instituições, tendo em vista o caráter estratégico para o desenvolvimento tecnológico do País e a inserção competitiva do Brasil nas cadeias globais de valor (redação da nota técnica para Atos Normativos no 447/2019 (4641393);

Considerando que o instituto opera com saldo superavitário, já que a previsão orçamentária para 2020 é de R$ 513 milhões em receitas e R$ 333 milhões em despesas (saldo positivo de R$ 180 milhões);

Considerando que essa proposta de alteração foi analisada pelo Ministério da Economia que, dentre as recomendações, sugeria que a data de entrada em vigor da referida Medida Provisória não ocorra de forma imediata, mas que considere sua implementação a partir do primeiro dia do exercício de 2020, de forma a não afrontar o §15, do Art. 114, da Lei de Diretrizes Orçamentárias do ano de 2019;

Considerando que o INPI é o órgão do governo federal responsável por avaliar pedidos de marcas, patentes, programas de computador, entre outros, incluindo novos medicamentos e que acaba de colocar em vigor um plano para reduzir drasticamente a fila de pedidos de patente – que hoje conta com 155 mil solicitações à espera de análise, para um total de 320 examinadores (484 pedidos por servidor);

Considerando que a imprensa tem divulgado que CNI, FIESP, entidades do agronegócio, Ministério da Economia e bancada ruralista, entre outros autores, estão se unindo em uma forte campanha pela extinção do INPI;

Considerando que a área da saúde será uma das áreas mais afetadas pela mudança proposta, tendo em vista que as patentes farmacêuticas afetam diretamente o preço dos remédios, que desencadeia um efeito imediato no orçamento público, pois o maior comprador de medicamentos do país é o Ministério da Saúde, com gastos de cerca de R$ 19 bilhões por ano;

Considerando que tal medida vai prejudicar a indústria nacional e favorecer as multinacionais, responsáveis por 80% dos pedidos de patente no Brasil;

Considerando o alerta feito por especialistas segundo os quais se a proposta for implementada, novos remédios ficarão mais caros;

Considerando que a saída para os problemas do INPI não passa pela precarização do órgão ou do trabalho dos servidores, já que quanto pior o exame de um pedido, mais patentes são concedidas e quanto mais medicamentos são patenteados, mais caros eles ficam para o acesso ao usuário;

Considerando que o que deixa um medicamento mais barato é concorrência;

Considerando que essa proposta transfere para o setor privado uma responsabilidade do Estado, havendo, assim, evidente conflito de interesse;

Considerando que esse modelo privado pode aumentar as chances de serem concedidas patentes indevidas, pois ao vincular a análise de patentes farmacêuticas a uma entidade privada se enfraquece a isenção e a imparcialidade dos examinadores, que ficariam sujeitos ao lobby das empresas;

Considerando que o INPI tem hoje autonomia como uma agência reguladora, e por isso toma decisões independentes e que fragilizar o órgão de propriedade intelectual vai causar insegurança jurídica aos cidadãos brasileiros; e

Considerando os riscos para a regulação do setor privado, já que com um INPI fragilizado e não público, não haverá as condições institucionais para o desempenho dessa competência.

Recomenda

À Presidência da República e ao Ministério da Economia:

Que a Agência Brasileira de Desenvolvimento Industrial (ABDI) e o Instituto Nacional da Propriedade Industrial (INPI) sejam mantidos em sua estrutura atual para que seja possível garantir o estímulo à inovação a serviço do desenvolvimento tecnológico e econômico do país e a adoção e difusão de tecnologias que contribuam para a transformação digital do setor produtivo e da sociedade brasileira.

Plenário do Conselho Nacional de Saúde, em sua Trecentésima Vigésima Quinta Reunião Ordinária, realizada em Porto Alegre nos dias 23 e 24 de janeiro de 2020.

Fim do conteúdo da página