Ir direto para menu de acessibilidade.
Página inicial > Últimas Notícias > CNS recomenda que Congresso Nacional não aprove reforma econômica que prejudica serviços públicos

17 CNS

Início do conteúdo da página

CNS recomenda que Congresso Nacional não aprove reforma econômica que prejudica serviços públicos

As PECs 186, 187 e 188, do “Plano Brasil Mais”, propõem uma reforma econômica prejudicial ao financiamento do SUS

  • Publicado: Quinta, 20 de Fevereiro de 2020, 10h48
imagem sem descrição.

Após a proposição do governo federal no final de 2019, que apresentou três Propostas de Emendas Constitucionais (PECs), que compõem o “Plano Brasil Mais”, o Conselho Nacional de Saúde (CNS) recomendou que senadores(as) e deputados(as) não aprovem a medida. A decisão ocorreu durante a 326ª reunião ordinária do CNS, realizada nos últimos dias 13 e 14 de fevereiro.

De acordo com a recomendação, não se trata de um plano governamental, mas de “medidas econômicas e administrativas para atingir tanto o objetivo de promover uma reforma administrativa, que prejudica o funcionalismo público, como o objetivo de realocar recursos orçamentários e financeiros para priorizar o pagamento da dívida pública em detrimento do atendimento das necessidades da população”.

O CNS considera que as três propostas de emendas representam um aprofundamento da restrição orçamentária e financeira decorrente da Emenda Constitucional nº 95/2016, que congelou investimentos em Saúde, Educação e outras políticas sociais por duas décadas. O prejuízo para o Sistema Único de Saúde (SUS) está estimado em R$ 400 bilhões até 2036, de acordo com a Comissão de Orçamento e Financiamento (Cofin) do CNS.

Quais são as mudanças propostas em cada PEC?

PEC nº 186 – altera, dentre outras  medidas, a regra de atualização do piso federal da Saúde e Educação, retirando o dispositivo que atualiza o valor pela variação do Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA), ou seja: o valor não será mais corrigido anualmente para cada área.

PEC nº 187 – trata da extinção de fundos públicos, cujos saldos financeiros e patrimônio serão realocados principalmente para o pagamento da dívida pública, caracterizando um sequestro de recursos destinados ao financiamento de políticas públicas estratégicas às necessidades da população;

PEC nº 188 – avança no processo de desvinculação dos pisos da Saúde e Educação iniciado pela EC nº 95/2016. Cria nova regra de cálculo para união, estados, Distrito Federal e municípios, estabelecendo piso unificado. Dessa forma, o cumprimento do orçamento deixa de ser específico a cada área. Assim, o aumento de investimento de uma área pode acarretar no desinvestimento de outra.

Grave retrocesso: extinção de planos e programas

A PEC nº 188 também extingue o plano plurianual e os planos e programas nacionais, regionais e setoriais, o que representa um “grave retrocesso no processo de planejamento das políticas públicas em geral”, diz a recomendação. No caso da Saúde, a aprovação das medidas pode causar prejuízos para a participação da comunidade no SUS, expressa na Constituição Federal e nas leis nº 8.142/1990 e nº 141/2012.

O que acontece agora?

As PECs propostas pelo governo ao Congresso Nacional devem passar por comissões no Senado e na Câmara dos Deputados. Após isso, haverá dois turnos em cada uma das casas. Para que haja uma mudança constitucional, são necessários 3/5 dos votos favoráveis, ou seja, 49 dos 81 no Senado e 308 dos 513 na Câmara dos Deputados.

Leia a recomendação do CNS na íntegra

Foto: Ricmais

Ascom CNS

registrado em:
Fim do conteúdo da página