Ir direto para menu de acessibilidade.
Página inicial > Últimas Notícias > NOTA: CNS contesta posicionamento da ANS sobre fila única de leitos e pede explicações

banner sintomas coronavirus 1banner sintomas coronavirus 2banner sintomas coronavirus 3 
peticaoCNS v2

Início do conteúdo da página

NOTA: CNS contesta posicionamento da ANS sobre fila única de leitos e pede explicações

  • Publicado: Quarta, 24 de Junho de 2020, 16h19
  • Última atualização em Sexta, 26 de Junho de 2020, 18h03
imagem sem descrição.

ANS respondeu que teme possibilidade de inadimplência da administração pública sobre contratação de leitos privados. CNS alega contradição

O Conselho Nacional de Saúde (CNS) contestou o posicionamento da Agência Nacional de Saúde Suplementar (ANS) sobre a implementação da fila única de leitos em contexto de pandemia. A recomendação nº 26/2020, dirigida aos gestores de todos os níveis federativos, foi enviada pelo Ministério da Saúde à ANS. No dia 27 de maio, a Agência elaborou resposta oficial considerando a fila única arriscada e potencialmente prejudicial para a cadeia de serviços de saúde privados. O CNS discordou e pediu explicações em nota publicada nesta quinta (25/06).

De acordo com a nota, elaborada pela Comissão Intersetorial de Saúde Suplementar (Ciss), cabe ao Conselho “lamentar a posição e solicitar explicações, uma vez que esse posicionamento conflita com informações recentemente divulgadas pela agência, em Boletim informativo do dia 19 de maio”. Isso porque, segundo o boletim de maio da ANS, foi apontada queda nas despesas assistenciais (gastos). “Em outras palavras, as empresas continuaram recebendo, sem precisar atender, e os hospitais, ao contrário, estão registrando perdas financeiras”, afirma o texto. 

Posicionamento contraditório da ANS

Para o CNS, o posicionamento contrário à recomendação é contraditório, “pois fala em risco de descumprimento contratual quando entidades representativas de grupos hospitalares estão reclamando junto à reguladora o fato de os serviços de saúde não estarem sendo demandados”. Para o CNS, “os argumentos que apontam receio de inadimplência do setor público e quebra de hospitais, ou ainda, as questões referentes a atrasos em pagamentos, podendo ocasionar mudança brusca no fluxo de caixa são evidentemente tendenciosas”. Além disso, a resposta da agência alega riscos que não estão respaldados em dados.

Eduardo Fróes, conselheiro nacional de saúde, representante da Associação Brasileira de Linfoma e Leucemia (Abrale) e coordenador da Ciss, explica que o setor privado tem, historicamente, mais leitos que o Sistema Único de Saúde (SUS). “Não bastasse isso, o boletim apresentado pela agência, mostra que a situação geral do mercado de planos de saúde entre março e abril de 2020  era de equilíbrio econômico-financeiro e baixa taxa de ocupação. Na nota da fila única, a ANS fala em risco sistêmico, de quebra de hospitais e dificuldade de atendimento de consumidores de planos, e no boletim da ANS, ela pinta um cenário extremamente positivo, de estabilidade financeira”, explicou

A requisição de leitos, paga com recursos públicos, é feita da mesma forma que as contrações entre hospitais privados e SUS. “Não há nada que desabone ou torne inseguros esses pagamentos”, disse Eduardo.

Veja a resposta da ANS à recomendação

Leia a nota explicativa do CNS na íntegra

Foto: Uol Notícias

Ascom CNS

registrado em:
Fim do conteúdo da página