Ir direto para menu de acessibilidade.
Página inicial > Últimas Notícias > CNS se reúne com conselhos estaduais e das capitais para discutir plano de vacinação contra a Covid-19

banner sintomas coronavirus 1banner sintomas coronavirus 2banner sintomas coronavirus 3 
peticaoCNS v2

Início do conteúdo da página

CNS se reúne com conselhos estaduais e das capitais para discutir plano de vacinação contra a Covid-19

  • Publicado: Terça, 19 de Janeiro de 2021, 13h30
  • Última atualização em Terça, 26 de Janeiro de 2021, 10h22
imagem sem descrição.

Em encontro virtual, conselheiros destacam preocupação com escassez de doses para imunização da população brasileira em larga escala

A mesa diretora do Conselho Nacional de Saúde (CNS) reuniu-se, nesta terça-feira (19/01), com presidentes e secretários (as) executivos (as) dos Conselhos Estaduais de Saúde (CES) e Conselhos Municipais de Saúde (CMS) das capitais. O objetivo foi fortalecer o diálogo sobre as ações de enfrentamento à pandemia, com principal foco nas estratégias para a campanha de vacinação contra a Covid-19.

Após a aprovação da Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) para uso emergencial das vacinas CoronaVac e AstraZeneca, no último domingo (17/01), os estados começaram a receber doses de vacina na segunda-feira (18/01), data em que algumas capitais deram início à vacinação.

Ao todo, seis milhões de doses da CoronaVac, desenvolvida pelo Instituto Butantan em parceria com a farmacêutica chinesa Sinovac, foram enviadas para os 26 estados e Distrito Federal. O número é bastante reduzido para atender o grupo prioritário da população, onde estão inseridos profissionais de saúde, idosos acima de 60 anos vivendo em instituições de longa permanência e indígenas.

“O Conselho Nacional de Saúde tem se posicionado pelo direito de toda população ter amplo acesso à vacinação”, afirmou o presidente do CNS, Fernando Pigatto, ao destacar as adesões do colegiado às campanhas Vacina para Todas e Todos e Abrace a Vacina, além da recomendação do CNS ao Ministério da Saúde, pela ampliação do plano de vacinação. “Obviamente ficou muito a desejar o plano que foi apresentado pelo Governo Federal, principalmente no que diz respeito aos grupos prioritários”, completa.

Escassez de doses

Segundo informações do El País, o primeiro lote de doses da CoronaVac deve ser suficiente para vacinar (com o protocolo recomendado de duas doses) apenas 2,8 milhões de pessoas. Isso corresponde a 4% dos usuários dos grupos prioritários estabelecidos no Plano Nacional de Imunização (PNI). Estimativas do Ministério da Saúde também consideram nesse cálculo a fatia que pode ser perdida por problemas durante a operação de logística. Quando comparado ao total da população brasileira, o número representa aproximadamente 1,4%.

Os conselheiros de saúde preocupam-se com as estratégias estabelecidas para vacinação e a escassez de doses para imunização da população brasileira em larga escala. “Vamos entrar em um momento crucial, que será pressionar o Governo Federal na sua obrigação de conseguir mais vacinas e insumos. Nós temos essa responsabilidade social com o povo”, afirma a coordenadora da Comissão executiva do CES Pernambuco, Lidiane Rodrigues Gonzaga. “Temos de estar atentos e fortes e resguardar o papel deliberativo do controle social. Não podemos baixar a guarda”, completa a vice-presidente do CES Rio Grande do Sul, Inara Beatriz Ruas.

Participação social

Alguns conselhos de saúde acompanham o plano de vacinação dos seus respectivos estados e municípios, participando dos espaços criados pela gestão para planejamento das ações de enfrentamento à doença. Mas em geral, a maioria dos conselhos estaduais e municipais tem encontrado dificuldades para isto.

“Pedimos uma reunião com o comitê de crise do Amazonas, que é formado somente por gestores, sem a participação de usuários e trabalhadores, e queremos cobrar que todas as ações sejam discutidas com o conselho estadual. Não nos informam nem ao menos como será o plano de vacinação”, afirma a conselheira estadual de saúde do Amazonas Luana Kelly Lima Santana, após apresentar a grave situação de saúde no estado.

“Fizemos vários esforços para participar do Comitê de Enfrentamento à Covid, mas a prefeitura não tem abertura com movimentos sociais”, denuncia a presidenta do CMS de Belo Horizonte, Carla Anunciatta.

Os conselhos de saúde seguem promovendo reuniões e organizando fóruns interconselhos para discutirem, acompanharem e fiscalizarem as ações realizadas pelos estados e municípios no combate à pandemia.

Medidas de prevenção

O controle social na Saúde também manifesta preocupação com o possível enfraquecimento das medidas de proteção, como o uso de máscaras, álcool em gel e isolamento social. “Há necessidade de ordenar um eixo único para estimular as medidas de prevenção, uma vez que o próprio Governo Federal incentiva o enfraquecimento disso”, avalia o representante da mesa diretora do CES Santa Catarina Alexandre Cunha dos Santos.

A reunião do CNS com os conselhos de saúde contou com a participação de aproximadamente setenta conselheiros estaduais e municipais. O próximo encontro virtual do CNS com os conselhos está previsto para março.

Ascom CNS

registrado em:
Fim do conteúdo da página