Ir direto para menu de acessibilidade.
Página inicial > Últimas Notícias > Dados de usuários do SUS devem ter privacidade garantida, afirmam especialistas em seminário do CNS e Fiocruz
Início do conteúdo da página

Dados de usuários do SUS devem ter privacidade garantida, afirmam especialistas em seminário do CNS e Fiocruz

  • Publicado: Quinta, 23 de Setembro de 2021, 15h21
imagem sem descrição.

Seminário “LGPD na saúde: CNS como articulador dos interesses da sociedade em defesa da vida”, demonstra ser um espaço de ação e resistência em um contexto de “crise econômica, sanitária e humanitária sem precedentes”, como demarcou Alex Molinaro, representante da Escola Nacional de Saúde Pública da Fundação Oswaldo Cruz (ENSP/Fiocruz) na mesa de abertura ocorrida virtualmente nesta quarta (22/09). O evento é uma organização do Conselho Nacional de Saúde (CNS) e da Fiocruz.

A mesa foi composta também por Rodrigo Murtinho, do Instituto de Comunicação e Informação Científica e Tecnológica em Saúde da Fiocruz (ICICT) e pelo presidente do CNS, Fernando Pigatto, que disparou, sobre os ataques que o órgão tem recebido: “cada ataque que a gente sofre é mais motivo para seguirmos avançando, porque se a gente incomoda alguns, que se acham donos da verdade, e que acham que podem impor para nós inclusive restrições, impedimentos e ameaças, nós levantamos a cabeça e proclamamos o Estado Democrático de Direito”. Já o diretor do ICICT/Fiocruz, Rodrigo Murtinho, alertou que o uso de dados sensíveis pode gerar diversos tipos de discriminação e afirmou que a proteção de dados é um direito fundamental para o exercício da cidadania no mundo de hoje.

WhatsApp Image 2021 09 22 at 16.26.59

Sarlene desmentiu afirmação do presidente Jair Bolsonaro de que os povos indígenas vivem em situação de paz: “nunca vivemos tanta violência e ameaça aos povos indígenas”. Em seguida, manifestou repúdio ao PL nº 490/2007, o qual estabelece um marco temporal para terras indígenas, denunciando que a proposta propicia a entrada de invasores nesses territórios. Ela relatou um aumento cotidiano de violências a partir das mídias sociais (presentes também no rádio e na TV), relacionadas a desinformação, discursos de ódio e racismo, afirmando que a LGPD pode contribuir para minimizar o problema.

Vitória Bernardes explicou que não existem políticas que garantam acesso ao cuidado, submetendo pessoas com deficiência a situações de violência ou subordinando ao cuidado de familiares, e concluiu que, nesse contexto, a deficiência pode gerar pobreza e a pobreza pode resultar em deficiência. 

Por fim, denunciou o capitalismo de vigilância, que “transforma nossas informações em produtos” e lembrou que de acordo com o Censo do IBGE 2010, há cerca de 45,6 milhões de pessoas com deficiência no Brasil, alertando que a deficiência não estava nas categorias de levantamento de informações sobre a Covid-19, de forma que não saberemos como a pandemia atingiu esta população.

Encerrando a última mesa da manhã, Bianca Leandro, da Fiocruz, afirmou que o avanço das tecnologias promoveu um processo de desenvolvimento desigual e excludente. Segundo ela, a importância de dados que ajudem a identificar iniquidades, a fim de dar visibilidade a grupos esquecidos ou oprimidos na agenda das políticas públicas. 

Foto de capa: Freepik

Por Luana Meneguelli Bonone 

Colaboradora da Ascom CNS e Ascom Fiocruz

registrado em:
Fim do conteúdo da página