Ir direto para menu de acessibilidade.
Página inicial > Últimas Notícias > 5ª Conferência Nacional de Saúde Mental será de 16 a 19 de maio de 2023

WhatsApp Image 2022 09 16 at 15.11.04

Início do conteúdo da página

5ª Conferência Nacional de Saúde Mental será de 16 a 19 de maio de 2023

  • Publicado: Segunda, 19 de Setembro de 2022, 16h03
imagem sem descrição.

A 5ª Conferência Nacional de Saúde Mental (5ª CNSM), promovida pelo Conselho Nacional de Saúde (CNS), será realizada de 16 a 19 de maio de 2023. A nova data consta na Resolução nº 682 do CNS, publicada no dia 9/09.

O documento também prorroga o período para a realização das conferências livres, que devem acontecer até o dia 30 de março de 2023, devendo sua realização ser comunicada à Comissão Organizadora da 5ª CNSM até dez dias após a realização do evento. Já o prazo para as etapas estaduais se encerrará em 30 de setembro.

A 5ª CNSM tem como tema “A Política de Saúde Mental como Direito: Pela defesa do cuidado em liberdade, rumo a avanços e garantia dos serviços da atenção psicossocial no SUS”, e como eixo principal “Fortalecer e garantir Políticas Públicas: o SUS, o cuidado de saúde mental em liberdade e o respeito aos Direitos Humanos”. A conferência é subdividida em quatro subeixos, sendo:

- Cuidado em Liberdade como Garantia de Direito à Cidadania; 
- Gestão, financiamento, formação e participação social na garantia de serviços de saúde mental; 
- Política de saúde mental e os princípios do SUS: Universalidade, Integralidade e Equidade; 
- Impactos na saúde mental da população e os desafios para o cuidado psicossocial durante e pós-pandemia.

A Política Nacional de Saúde Mental (PNSM) vem sofrendo ataques constantes desde sua elaboração, aprofundados nos últimos cinco anos. As medidas colocam em risco conquistas históricas, sustentadas por quatro Conferências Nacionais de Saúde Mental, pela Lei nº 10.216/2001 e pela Lei Brasileira de Inclusão, largamente reconhecidas no cenário internacional pela Organização Mundial da Saúde (OMS).

Os impactos atingem a Rede de Atenção Psicossocial, com o incentivo à internação psiquiátrica e à separação da política sobre álcool e outras drogas, que passou a ter ênfase no financiamento de comunidades terapêuticas e uma abordagem proibicionista e punitivista, de acordo com as críticas da Comissão Intersetorial de Saúde Mental (Cism), do CNS.

Foto: Fernando Frazão / Agência Brasil

Ascom CNS

registrado em:
Fim do conteúdo da página