Ir direto para menu de acessibilidade.
Página inicial > Últimas Notícias > Políticas de Vigilância em Saúde podem reduzir violências no Brasil, avalia CNS

17 CNS

Início do conteúdo da página

Políticas de Vigilância em Saúde podem reduzir violências no Brasil, avalia CNS

  • Publicado: Sábado, 23 de Junho de 2018, 08h03

Apesar das inúmeras políticas de combate à violência no Brasil, os índices são alarmantes. De acordo com o Anuário de Segurança Pública, em 2006, o país tinha 49 mil homicídios, em 2016, o número chegou a 61,6 mil. Essas e outras violências físicas e psicológicas são temas da “Oficina Viva”, que começou nesta quarta (13/06), em Brasília. O evento é realizado pelo Ministério da Saúde, que reúne gestores e profissionais de saúde de diversos municípios. Na ocasião, o Conselho Nacional de Saúde (CNS) apresentou as formas de atuação do controle social para as políticas de Vigilância em Saúde, que também devem monitorar e atenuar as violências.

A ideia da formação é capacitar os participantes quanto aos critérios de análise de dados da “Ficha de Notificação de Violências Interpessoais e Autoprovocadas” no Sistema de Informação de Agravos de Notificação (Viva Sinan), sensibilizando os participantes para a importância da Rede de Atenção e Proteção às Pessoas em Situação de Violências. “A Agenda 2030 da ONU demanda que os 193 países reduzam todas as formas de violência. O papel da vigilância em saúde no Brasil, reconhecida internacionalmente, é fundamental”, disse Kátia Pinho, representante da Organização Pan-Americana da Saúde (Opas).

Papel da participação social

O conselheiro nacional de saúde Fernando Pigatto, representante da Confederação Nacional das Associações de Moradores (Conam), destacou a realização da 1ª Conferência Nacional de Vigilância em Saúde (1ª CNVS) em fevereiro de 2018. Cerca de 2 mil pessoas construíram 181 propostas e 29 moções que vão fazer parte da Política Nacional de Vigilância em Saúde. “Tivemos proposições que pedem a implementação urgente do Plano Nacional de Prevenção de Acidentes e Segurança Viária, além da demanda de ampliar a Rede de Proteção às Vítimas de Violência”, afirmou o conselheiro.

Candice Falcão, representante do Conselho Nacional de Secretarias Municipais de Saúde (Conasems), destacou que a terceira causa de morte no Brasil é a violência. Já Teresa Delamare, do Ministério da Saúde, alertou que “apesar dos avanços no nosso atendimento, a violência continua a crescer. É uma situação dramática”. Fátima Marinho, também do Ministério da Saúde, chamou o momento de “explosão de violência”, que geram abalos à saúde física e mental dos brasileiros e brasileiras.

“Precisamos reduzir o impacto desse sofrimento, mulheres estão sendo vítimas de estupro e, mesmo amparada pela lei, não estão podendo abortar. Crianças estão sofrendo abusos consecutivos. É uma doença social que vem aumentando no país”. A oficina ocorre até sexta (15/06) e deve traçar encaminhamentos aos participantes para que levem aos seus municípios de origem proposições para combater as diferentes formas de violência.

Ascom CNS

registrado em:
Fim do conteúdo da página