Ir direto para menu de acessibilidade.
Página inicial > Últimas Notícias > “Nova Política de Saúde Mental desrespeita todos os direitos”, diz psicóloga

WhatsApp Image 2022 09 16 at 15.11.04

Início do conteúdo da página

“Nova Política de Saúde Mental desrespeita todos os direitos”, diz psicóloga

  • Publicado: Terça, 06 de Fevereiro de 2018, 09h16

A psiquiatra Mirian Nadin Abou’yd, representante do Conselho Federal de Psicologia (CFP), criticou as mudanças na nova Política de Saúde Mental, propostas recentemente pelo governo, e apontou que a medida traz retrocessos e desrespeito a todos os direitos.

A análise consta em uma carta apresentada pela médica, aos conselheiros nacionais de saúde, durante reunião ordinária do colegiado, realizada nos dias 30 e 31 de janeiro. “Direta ou indiretamente a ‘nova política’ propõe retroagir no tempo. No tempo do desrespeito a todos os direitos, traduzidos na precariedade e burocratização da assistência ofertada que, via de regra, não oferecia as mínimas condições de dignidade humana”.

E continua: “no tempo da violência no trato, do cerceamento da liberdade, do enclausuramento sustentado em nome da irracionalidade perigosa; no tempo da invalidação como modo de vida; no tempo do silenciamento imposto pelo enfadonho monólogo da razão, repetido à exaustão pela boca dos técnicos; no tempo do abandono e da negligência, da infantilização e da tutela”, consta no documento.

>> Leia na íntegra a Carta contra as Mudanças na Saúde Mental

As alterações na Política Nacional de Saúde Mental foram pactuadas na Comissão Intergestora Tripartite (CIT), composta por gestores da saúde da União, estados e municípios – sem consulta à sociedade.

Durante a reunião do CNS, os conselheiros nacionais de saúde aprovaram uma recomendação para o Ministério da Saúde revogar a Portaria nº 3.588, publicada em 21 de dezembro de 2017, que alterou as diretrizes da política.

Eles solicitam ainda a publicação de portaria em substituição, que esteja de acordo com os princípios da Reforma Psiquiátrica Brasileira e da Lei nº 10.216/2001. A lei prioriza os serviços comunitários e extra-hospitalares, devendo a internação psiquiátrica ser realizada somente como último recurso assistencial.

Ascom CNS

registrado em:
Fim do conteúdo da página