Ir direto para menu de acessibilidade.
Página inicial > Últimas Notícias > CNS defende Revalida para profissionais estrangeiros do Mais Médicos que estão impossibilitados de trabalhar
Início do conteúdo da página
Notícias

CNS defende Revalida para profissionais estrangeiros do Mais Médicos que estão impossibilitados de trabalhar

A Recomendação nº 26/2019, do CNS, defende que Inep seja protagonista no reconhecimento de diplomas

  • Publicado: Quinta, 11 de Julho de 2019, 15h00
  • Última atualização em Quinta, 11 de Julho de 2019, 15h00
imagem sem descrição.

 

Na última sexta (5/07), durante a 319ª Reunião Ordinária (RO) do Conselho Nacional de Saúde (CNS), em Brasília, o controle social na saúde aprovou recomendação para que o Ministério da Educação (MEC) reconheça as deliberações do CNS a respeito da formação e provimento de médicos no Brasil. Dentre as demandas, o órgão participativo, colegiado ao Ministério da Saúde, recomenda que a pasta da Educação amplie o reconhecimento de diplomas de médicos estrangeiros.

A necessidade surgiu após o fim o acordo de cooperação entre a Organização Pan-Americana da Saúde (Opas), Brasil e Cuba no Programa Mais Médicos, em 2018, que trazia profissionais cubanos para atuarem em locais de difícil acesso no território brasileiro. De acordo com o documento, mais de 2 mil médicos permaneceram no Brasil, mas atualmente estão impedidos de atuar devido à necessidade de se submeterem ao Exame Nacional de Revalidação de Diplomas Médicos (Revalida), que teve última edição aplicada em 2017.

“Isso impacta diretamente em suas condições de vida e sobrevivência, enquanto se encontram na condição de refugiados”, afirma a recomendação. A conselheira nacional de saúde Nara Arruda, representante da União Nacional dos Estudantes (UNE), lembrou que o MEC faz parte da Comissão Intersetorial de Recursos Humanos e Relações de Trabalho (Cirhth), do CNS, porém não tem contribuído com informações relevantes sobre temas comuns às pastas.

Para o debate no plenário do CNS, o MEC foi convidado, mas não compareceu, justificando impossibilidade de agenda. “A Cirhth é constitucional, faz um trabalho sério, mas não estamos tendo devolutiva de nossas demandas. Precisamos do compromisso do MS e do MEC para que valorizem esses profissionais no nosso país”, criticou a conselheira.

IMG 9496

A Portaria nº 17, de 15 de maio de 2019, do MEC, instituiu Grupo de Trabalho (GT) sobre o Revalida. Entretanto, o CNS não foi convidado mesmo sendo um órgão deliberativo que deve participar das decisões na área da formação em saúde, conforme define a Constituição de 1988. Integram o GT representantes da Secretaria de Educação Superior do MEC (Sesu/MEC), do Instituto Nacional de Educação e Pesquisa Educacionais Anísio Teixeira (INEP); e do Conselho Federal de Medicina (CFM).

Pela manutenção do Revalida

O reitor da Universidade Federal do Ceará (UFC), Henri Campos, que participou do processo de construção do Revalida, entre 2007 e 2015, alertou sobre as possíveis mudanças que podem ocorrer sem participação do controle social na saúde. “É temeroso que se entregue esse processo a cada universidade. Essa é uma tarefa do Sistema Educacional de Avaliação no Brasil. Defendo o Revalida na certeza de que podemos ter a participação [no SUS] dos nossos colegas formados no exterior”, disse.

A Recomendação nº 26/2019, do CNS, também defende que o “Instituto Nacional de Educação e Pesquisa Educacionais Anísio Teixeira (Inep) seja protagonista no atual processo de discussão, inclusive na elaboração e aplicação do Exame Nacional de Revalidação de Diplomas Médicos, de forma que os resultados reflitam aspirações do Estado brasileiro”.

LEIA A RECOMENDAÇÃO NA ÍNTEGRA

Ascom CNS

 

registrado em:
Fim do conteúdo da página