Ir direto para menu de acessibilidade.
Página inicial > Últimas Notícias - Informes > Boletim do CNS mostra que governo segue moroso no repasse de benefícios da emergência pública

WhatsApp Image 2020 02 14 at 13.22.56

Início do conteúdo da página

Boletim do CNS mostra que governo segue moroso no repasse de benefícios da emergência pública

Publicado: Quarta, 10 de Junho de 2020, 17h30 | Última atualização em Sexta, 12 de Junho de 2020, 10h25
imagem sem descrição.

De acordo com o decreto nº 10.316/2020, que dispõe sobre a renda emergencial à população frente à pandemia da Covid-19, o pagamento do governo só poderá ser feito até dia 2 de julho, quando completam os três meses previstos para o repasse. Porém, o Boletim Cofin, produzido pela Comissão de Orçamento e Financiamento do Conselho Nacional de Saúde (Cofin/CNS), publicado nesta quarta (10/06), mostra que o recurso para benefícios tem tido demora no repasse à população.

Os recursos para Auxílio Emergencial de proteção social representaram 45,2% do total dos valores destinados para as diversas ações de combate ao Covid-19 (R$ 337,8 bilhões). Dos recursos alocados para essa ação (R$ 152,6 bilhões), 79% foram empenhados (dos quais 63% foram liquidados e pagos).

Dos recursos referentes às ações de enfrentaremento à Covid-19, que inclui a pasta da Saúde, (R$ 44,2 bilhões), apenas 36% (R$ 16,0 bilhões) foram empenhados (dos quais, 78% e 77% foram liquidados e pagos); a maior parte está alocada no Ministério da Saúde (R$ 39,0 bilhões) que ainda tem cerca de R$ 26 bilhões (ou 67% do total orçamento autorizado) para transferir para Estados/DF e Municípios e para aplicar diretamente por meio de compras diversas para o combate ao Covid-19. Os dados do Boletim Cofin foram extraídos da Plataforma Siga Brasil. 

Saiba Mais

O Boletim Cofin é uma publicação semanal do CNS com informações sintéticas sobre a evolução dos gastos federais do Sistema Único de Saúde (SUS). Neste período, as análises focam no combate à pandemia do Covid-19. O Boletim Cofin é produzido a partir de dados levantados pelo economista Francisco R. Funcia, consultor técnico do CNS e professor da Universidade Municipal de São Caetano do Sul (USCS), Rodrigo Benevides, representante do Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada (Ipea), e Carlos Ocké-Reis, representante do Ipea e da Associação Brasileira de Economia da Saúde (Abres).

Leia o boletim na íntegra

Ascom CNS

registrado em:
Fim do conteúdo da página