Ir direto para menu de acessibilidade.
Página inicial > Últimas Notícias > CNS requer mais atenção às pessoas com intolerância a glúten
Início do conteúdo da página

CNS requer mais atenção às pessoas com intolerância a glúten

  • Publicado: Quinta, 26 de Abril de 2018, 08h44

Dia 20 de maio deve ser considerado o Dia Nacional da Pessoa com a Doença Celíaca no Brasil. Essa é a ideia do projeto de lei (PL) nº 6666/2016, que tramita no Congresso Nacional. Na última quarta (25/04), representantes do Conselho Nacional de Saúde (CNS) se reuniram com o relator do projeto, deputado Mandetta (DEM/MS), com o objetivo dar celeridade ao PL. A pauta vai fazer parte da 305ª Reunião Ordinária (RO) do CNS, dias 9 e 10 de maio.

A doença celíaca é uma doença autoimune em que o sistema imunológico ataca  o próprio organismo, especialmente o intestino delgado, interferindo diretamente na absorção de nutrientes. Ela é genética, pode ocorrer em qualquer idade e é disparada pelo consumo de  glúten, proteína presente no trigo, no centeio, na cevada e na aveia. O único tratamento existente hoje em dia é a dieta isenta de glúten por toda a vida.  De acordo com a Organização Mundial de Saúde (OMS), cerca de 1% da população no mundo possui intolerância ao elemento, que pode gerar uma série de agravos.

A ideia de implementar uma data em alusão à causa no Brasil tem o intuito de gerar mais informações sobre o tema para que possam ser desenvolvidas políticas públicas na área. De acordo com a conselheira nacional de saúde Cleoneide Pinheiro, representante da Federação Nacional das Associações de Celíacos do Brasil (Fenacelbra), diagnosticar a doença ainda é difícil. “Precisamos implementar o protocolo clínico da Doença Celíaca e garantir o cuidado e a necessidade de atenção à saúde das pessoas que vivem com a doença”, disse.

A conselheira alerta que, além dos alimentos, é preciso lembrar que há glúten em cosméticos, medicamentos e até mesmo produtos de limpeza – o que pode afetar os celíacos. O deputado Mandetta destacou que alguns produtos industrializados possuem glúten, mas não informam corretamente na embalagem. “Não podemos ter alimentos com quantidade mínima de glúten”, relativizando o elemento nos produtos alimentícios.

IMG_1709

A expectativa é que o deputado participe da próxima R.O do CNS para ouvir os conselheiros e conselheiras sobre as demandas relacionadas ao tema, que vem sendo trabalhado na Comissão Intersetorial de Alimentação e Nutrição (Cian) e discutido amplamente na Comissão Intersetorial de Atenção à Saúde das Pessoas com Patologias (Ciasp), ambas do CNS. A ideia é dar luz à data para que o Ministério da Saúde estimule a pesquisa e melhore as estatísticas sobre a doença no Brasil, disponibilizando tratamentos adequados no Sistema Único de Saúde (SUS).

Ascom CNS

registrado em:
Fim do conteúdo da página