Ir direto para menu de acessibilidade.
Página inicial > Últimas Notícias > Samu, 20 anos: desafios para melhor atender o crescente número de pessoas idosas no Brasil

4CNGTES Banner

Início do conteúdo da página

Samu, 20 anos: desafios para melhor atender o crescente número de pessoas idosas no Brasil

  • Publicado: Quarta, 13 de Setembro de 2023, 10h57
imagem sem descrição.

Audiência Pública na Câmara dos Deputados discutiu perspectiva de ampliação e qualificação do serviço de urgência no SUS

Ao completar 20 anos, o Samu (Serviço de Atendimento Móvel de Urgência), criado no primeiro mandato do presidente Lula, vem prestando uma importante contribuição ao SUS, consolidando-se como um patrimônio brasileiro. Mas, diante de mudanças sociodemográficas e do acúmulo do tempo, é hora de renová-lo e fortalecê-lo.

Este é o chamado para os próximos anos, segundo conclusões de audiência pública realizada na última segunda (12/09), na Comissão de Saúde da Câmara dos Deputados. Convocada pela deputada federal Juliana Cardoso (PT-SP), a audiência reuniu pesquisadores, representantes do governo e dos movimentos sociais para debater o futuro do Samu.

Um dos principais objetivos do encontro foi analisar as mudanças necessárias para melhor atender o crescente número de pessoas idosas no Brasil. Este foi o destaque da participação da conselheira nacional de saúde Walquíria Cristina Alves, que falou em nome do Conselho Nacional de Saúde (CNS). Coordenadora-adjunta da Comissão Intersetorial de Atenção à Saúde nos Ciclos de Vida do CNS, Walquíria defendeu que o Samu precisa construir um modelo de atendimento em rede.

Walquíria

Segundo ela, falta consolidar um amplo compartilhamento de informações entre diferentes órgãos da saúde pública, nos três níveis de governo, e também entre outras esferas do poder público, como assistência social, para poder garantir que os idosos recebam atendimento multidisciplinar e sejam encaminhados para diferentes serviços.

“O Samu, quando atender o idoso, tem que considerar a funcionalidade dele e dela. O que queremos é garantir um envelhecimento ativo e saudável, com garantia de direitos de cidadania para essa população”, disse Walquíria. “Hoje, a rede não trabalha em compartilhamento, e nós precisamos de um trabalho integrado, com troca de informações, para ajudar que as equipes de atendimento possam pensar em diferentes encaminhamentos para cada caso”.

Na opinião da conselheira, que também integra o Conselho Estadual da Pessoa Idosa do Pará, esses encaminhamentos podem incluir desde programas de saúde propriamente ditos, até o retorno aos estudos ou alfabetização, práticas esportivas e tantos outros projetos terapêuticos que possam melhorar as condições de vida dos idosos.

Para tanto, será necessário construir uma plataforma que permita aos profissionais que trabalham no Samu acessar o histórico dos pacientes, indo além do episódio que gerou a chamada. “A gente precisa olhar a transição demográfica de uma nova forma, para redimensionar o Samu, resumiu a pesquisadora Marisa Malvestio, da Universidade de São Paulo (USP).

“A rede toda precisa de adaptação, não só o Samu”, completou. Isso inclui, segundo ela, a Central de Regulação de Urgências e Emergências, de modo a conectá-la a toda a rede de atendimento e os diferentes serviços públicos.

Afinal, 70% dos idosos no Brasil são dependentes do SUS, conforme lembrou a médica geriatra Lígia Gualberto, coordenadora de Saúde da Pessoa Idosa na Atenção Básica, do Ministério da Saúde. São mais de 33 milhões de pessoas. E, para muitas delas, a porta de entrada no sistema é o Samu. “A gente precisa desenvolver novas estratégias, fortalecer a rede de cuidados, antes até que as pessoas precisem do Samu. E isso não envolve apenas a saúde. Por isso, precisamos de financiamento”.

Coordenador-geral de Urgência do Ministério da Saúde, o médico sanitarista Felipe Reque reconhece a necessidade de construir amplo serviço de atendimento em rede, de qualificar os profissionais que trabalham no Samu e também ampliar e renovar o serviço. Reque informou que o Ministério e o Departamento de Informática do Sistema Único de Saúde (Datasus) já estão investindo na formatação de um novo sistema digital para a rede de urgência e emergência.

O Samu cobre pouco mais de 86% das cidades brasileiras. Em algumas dessas áreas de cobertura, notadamente entre as cidades com menos de 10 mil habitantes, o serviço sequer está informatizado, lembrou Gisele Odwyer, pesquisadora da Fiocruz.

Entre outras medidas que estão sendo tomadas pelo Ministério, segundo Reque, já está em curso o fortalecimento de núcleos de educação para os trabalhadores e trabalhadoras do Samu. Ele anunciou também a aquisição de novos 1,8 mil veículos para ampliar e renovar a atual frota, com previsão de entrega para até o início do próximo ano. Atualmente, a frota é composta de 3,8 mil unidades, o que inclui as chamadas motolâncias e ambulanchas – motocicletas e barcos usados para facilitar o acesso em grandes centros urbanos ou regiões sem malha viária.

“Essa estrutura não foi qualificada ao longo dos últimos anos. A prioridade do atual governo é o fortalecimento e ampliação de uma rede de urgência, o que vai além do Samu”, garantiu Reque. Ele destacou também que os aperfeiçoamentos de gestão precisam incluir formas de proteção e saúde às pessoas que trabalham na rede de urgência.

Entre outras questões abordadas durante a audiência, os participantes ressaltaram alguns desafios para ampliação e formação continuada das equipes. 85% dos atendimentos são feitos por equipes de dois profissionais, tendo à frente trabalhadores de enfermagem de nível médio, enquanto os demais 15% contam com médicos. Mesmo assim, segundo Marisa Malvestio, apenas 30% das ambulâncias destinadas a atendimento avançado contam com a presença de médicos. “Nossa capacidade de operação está abaixo. Quem trabalha, trabalha demais”, afirmou a pesquisadora.

Ascom CNS

Foto: Will Shutter/Agência Câmara

registrado em:
Fim do conteúdo da página