Ir direto para menu de acessibilidade.
Página inicial > Últimas Notícias > CNS recebe Ministério da Saúde para debater projeto de Atenção Especializada em Saúde

4CNGTES Banner

Início do conteúdo da página

CNS recebe Ministério da Saúde para debater projeto de Atenção Especializada em Saúde

  • Publicado: Quinta, 14 de Setembro de 2023, 13h14
imagem sem descrição.

O Ministério da Saúde está preparando o projeto de uma Política Nacional de Atenção Especializada em Saúde (Pnaes), cujas linhas gerais foram apresentadas ao Conselho Nacional de Saúde (CNS) durante a 346ª Reunião Ordinária, na manhã desta quarta (13/09). A previsão é que um novo debate sobre o tema seja realizado pelo CNS no próximo dia 22, quando uma oficina em formato híbrido aprofundará detalhes do projeto.

Na reunião de quarta, o secretário nacional de Atenção Especializada do Ministério, Helvécio Miranda Magalhães Jr, ouviu conselheiros e conselheiras. A necessidade de informatização e compartilhamento em rede por todo o SUS foi um dos pontos mais recorrentes nas intervenções do plenário.

Helvécio lembrou que até 2016 a informatização do atendimento no SUS estava se ampliando, mas foi abandonada nos períodos Michel Temer e Jair Bolsonaro. “Mais de 4 mil municípios têm prontuário eletrônico, mas o restante, não. Estamos atrasados demais neste ponto”, admitiu.

O secretário afirmou que a criação e implementação do Prontuário Nacional Único, conectando todo o sistema, é prioridade. “Quando entrar em operação, metade dos problemas passarão a ser resolvidos. Começaremos a eliminar a repetição de exames e de procedimentos, teremos melhores condições de encaminhar os usuários. Atualmente, essa falta gera bilhões de reais de desperdício”.

IMG 1089

Questionado também sobre o crescimento da iniciativa privada no SUS, Helvécio garantiu que o atual governo não estimulará esse avanço, mas respeitará as parcerias hoje em vigor nas diferentes unidades da federação.

Ele também garantiu que a Pnaes será estruturada a partir dos territórios, nas chamadas regiões de saúde. “A articulação da rede se dá no território. Nós temos que estabelecer um contato permanente com os pacientes, com a população”. Para Helvécio, ferramentas como o celular devem ser aliados: “Eu tenho dito que a gente precisa ter o número do telefone de todos que passam pela rede, para nossas unidades poderem checar como está o atendimento”.

Outro desafio do modelo é alterar a forma de remuneração dos serviços prestados pelo e para o SUS, atualmente centrada no procedimento médico. “A remuneração deve ser pensada para o cuidado integral, e não mais neste modelo”. O secretário disse ainda que os desafios propostos pelo projeto não serão atingidos no curto prazo, dada a dimensão dos problemas.

Ascom CNS

registrado em:
Fim do conteúdo da página