Ir direto para menu de acessibilidade.
Página inicial > Últimas Notícias > 5ª CNSM traz Economia Solidária para impulsionar geração de renda, inclusão social e exercício da cidadania
Início do conteúdo da página

5ª CNSM traz Economia Solidária para impulsionar geração de renda, inclusão social e exercício da cidadania

  • Publicado: Terça, 19 de Dezembro de 2023, 14h17
imagem sem descrição.

A Economia Solidária tem como base a emancipação das pessoas, o bem-estar na produção e a expressão de sentidos através do trabalho, o que culmina na inclusão social nos territórios e no exercício de cidadania. A 5ª Conferência Nacional de Saúde Mental Domingos Sávio (CNSM), que ocorreu em Brasília entre 11 e 14/12, reuniu expositores de diversos estados brasileiros para apresentarem os seus trabalhos na Feira da Economia Solidária.

A multiplicidade de produtos apresentados no evento enfatizou a importância da arte, da cultura e da geração de renda neste processo de inclusão e apontou a necessidade de se ampliar o diálogo sobre formas de incentivo aos empreendimentos solidários.

Segundo Neli de Almeida, coordenadora da Rede de Atenção Psicossocial do Departamento de Saúde Mental, Álcool e outras Drogas (Desmad) do Ministério da Saúde, os programas de geração de trabalho e renda são campos para a reabilitação psicossocial que não se restringem apenas a serviços, mas sim a possibilidade de intervir na cidade, na construção de cidadania e de transformação da ideia de que a pessoa louca é improdutiva.

“Tudo que envolve esses programas de arte e cultura, geração de trabalho e renda, economia solidária, são dispositivos essenciais para que a gente possa, de fato, retomar o curso da reforma psiquiátrica”, avalia Neli ao destacar o grande empenho do departamento para garantir a presença da feira na 5ª CNSM e falar sobre as perspectivas para a garantia da implementação de Centro de Convivência, Arte e Cultura na Política de Saúde Mental para o próximo período.

“É um esforço dessa gestão de construir essa possibilidade de efetivar essa rede de Centros de Convivência, para isso a gente entende que é importante articular o campo da economia solidária. Fizemos os convites, os coordenadores estaduais de saúde mental se mobilizaram muito para acionar suas redes e a gente ter uma representação aqui nesse momento de vinte e um estados brasileiros na formação da Feira de Economia Solidária da 5ª Conferência Nacional de Saúde Mental Domingos Sávio.”

 

Economia solidaria 1

 

Cooperativas Solidárias na 5ª CNSM

Para Yara Bardales, que representa a Cooperativa Social de Saúde Mental Ciranda Samaúma do estado do Acre, a troca de experiência nestes espaços coletivos é fundamental para melhor compreender os desafios dos empreendimentos solidários “Os contatos que a gente pode fazer, conhecer outros lugares, escutar a experiência deles e como a experiência deles pode ajudar na nossa experiência, em como que a gente pode alavancar ainda mais a cooperativa. Eu acho que esse é um ponto muito positivo, essa troca”.

A Ciranda Samaúma surgiu em 2019 e foi regulamentada em 2021 e é um ponto de referência de geração de renda para usuárias e usuários da Rede de Atenção Psicossocial (Raps) de Rio Branco (AC). Os trabalhos desenvolvidos na cooperativa são peças artísticas manuais e de pintura com transfer para canecas e camisas. Seu principal apoiador é o Centro de Convivência e Cultura Arte de Ser, que realizou a interlocução para que a Ciranda Samaúma estivesse na etapa nacional da 5ª CNSM.

A Economia Solidária ocupando espaço na 5ª CNSM

Para finalizar os quatro dias de Feira de Economia Solidária, a 5ª CNSM promoveu uma roda de conversa com a participação de mais de cem pessoas, contando com as iniciativas de economia solidaria que compuseram a feira e diversos atores sociais do campo.

 

Economia solidaria 3

 

A roda de conversa foi proposta por Renata Studart, diretora do Departamento de Projetos da Secretaria Nacional de Economia Popular e Solidária (Senaes) do Ministério do Trabalho e Emprego (TEM), em parceria com o Desmad.

Na ocasião, foram discutidas ideias, propostas e anseios para a retomada das ações nacionais que pretendem centralizar a economia solidária como uma das políticas prioritárias, incluindo o Cadastro de Experiências e Iniciativas de Economia Solidária (Cadsol). Conforme pontuado por João Mendes de Lima Junior, coordenador de Desinstitucionalização e Direitos Humanos do Desmad, será criado um critério para identificar experiências relacionadas ao campo da saúde mental, com intuito de fomentar e apoiar essas iniciativas.

Durante a plenária livre da 5ª CNSM foi aprovada ainda uma moção para garantir a presença de Centros de Convivência, Arte, Cultura e Economia Solidária em todo território nacional no orçamento do financiamento público destinado à Raps. Participaram da Feira da Economia Solidária expositores do Acre, Amazonas, Roraima, Rondônia, Pará, Maranhão, Tocantins, Piauí, Ceará, Rio Grande do Norte, Alagoas, Sergipe, Bahia, Minas Gerais, Espírito Santo, Rio de Janeiro, São Paulo, Paraná, Santa Catarina, Rio Grande do Sul e Distrito Federal.

Chaiane Santos – Comunicação Colaborativa 5ª CNSM

registrado em:
Fim do conteúdo da página