Ir direto para menu de acessibilidade.
Página inicial > Últimas Notícias > Diversidade religiosa: CNS se une à marcha de abertura do Fórum das Resistências

banner Susconecta

Início do conteúdo da página

Diversidade religiosa: CNS se une à marcha de abertura do Fórum das Resistências

Sob chuva e batuque de tambores, cerca de 2 mil pessoas participaram do ato e da caminhada pelas ruas de Porto Alegre, marcando a abertura do Fórum

  • Publicado: Quarta, 22 de Janeiro de 2020, 16h37
imagem sem descrição.

O Brasil é, constitucionalmente, um país laico. Ou seja, a liberdade de culto deve ser garantida a todas as pessoas em território nacional. Porém, o avanço do fundamentalismo e do racismo religioso tem feito o número de ataques às religiões de matriz africana ampliar de 2016 até aqui. Por isso, o Conselho Nacional de Saúde (CNS) participou, nesta terça (21/01), da 12ª Marcha Estadual Pela Vida e Pela Diversidade Religiosa do Rio Grande do Sul, em Porto Alegre.

O evento também marcou a abertura do Fórum Social das Resistências 2020, que reúne ativistas de várias partes do mundo contra a perda de direitos sociais. Em 2018, com dados do Disque 100, foram mais de 500 ataques a espaços de culto da umbanda e do candomblé. De acordo com Fernando Pigatto, presidente do CNS, é preciso que a Saúde seja compreendida de forma ampla, onde a liberdade de expressão e de culto fazem parte da qualidade de vida.

“A presença do CNS aqui demonstra o caráter diverso do controle social brasileiro nesse momento da história. A democracia, os direitos dos povos de matriz africana e os direitos humanos estão sendo violados. Democracia e Saúde precisam caminhar juntas”. Segundo ele, “estão construindo um cenário onde, intencionalmente, a saúde pública está sendo entregue à saúde privada”, criticou.

WhatsApp Image 2020 01 22 at 15.00.36

Kafelê Medusa, representante do Fórum dos Povos Tradicionais de Matriz Africana, denuncia que os ataques estão aumentando a ponto de ocasionarem, inclusive, assassinatos. “Essa marcha acontece no Brasil inteiro. É nosso direito constitucional. Somos povos seqüestrados da África e mantemos nossa tradição no Brasil. A perseguição aumentou muito de 2016 pra cá”. Ele também relata a dificuldade do registro das denúncias, pois muitas delegacias pessoalizam os ataques sem registrar o crime de intolerância. “Estão recrutando muitos policiais com o fundamentalismo religioso”, disse.

Para Itamar Santos, vice-presidente do Conselho Estadual de Saúde do Rio Grande do Sul (CES/RS), é preciso mobilização popular para a defesa da diversidade religiosa e de todos os direitos sociais. “A conjuntura mundial mudou drasticamente nos últimos anos. Há uma ascensão evidente do fascismo e do neonazismo, que oprime as religiões de matriz africana, indígena e outras. O Fórum, depois da realização da primeira edição, há 20 anos, mostra que, para termos o poder popular novamente, precisamos nos organizar”. O evento segue até sábado (25/01).

WhatsApp Image 2020 01 22 at 15.14.251

Veja a programação completa do CNS no Fórum Social das Resistências 2020

Ascom CNS

registrado em:
Fim do conteúdo da página