Ir direto para menu de acessibilidade.
Página inicial > Últimas Notícias > CNS orienta que Ministério da Saúde defenda Guia Alimentar de 2014, construído com participação popular

17 CNS

Início do conteúdo da página

CNS orienta que Ministério da Saúde defenda Guia Alimentar de 2014, construído com participação popular

  • Publicado: Quinta, 17 de Setembro de 2020, 15h14
imagem sem descrição.

Especulações de setores do governo querem modificar o documento sem debate com a sociedade, potencializando o incentivo a alimentos industrializados e ultraprocessados

Em fevereiro deste ano, o Conselho Nacional de Saúde (CNS) recomendou que o Ministério da Saúde implemente o Guia Alimentar para a População Brasileira, documento construído após amplo debate com o controle social na Saúde e diversas outras entidades preocupadas com as orientações nutricionais a serem estimuladas pelo governo. A publicação, datada originalmente de 2006, foi revisada em 2014. Porém, vêm sendo especuladas mudanças no material sem debate com a sociedade, conforme foi divulgado pela imprensa nesta quinta (17/09).

O objetivo do CNS com a recomendação é que o Ministério da Saúde defenda o Guia, pois a versão de 2014 é considerada uma referência na promoção da alimentação adequada e saudável. A demanda é parte do compromisso assumido pelo poder público diante da Política Nacional de Alimentação e Nutrição e da Política Nacional de Promoção da Saúde. Para o controle social e entidades ligadas à nutrição, modificar o Guia sem discussão pode abrir margem para o incentivo a alimentos idustrializados e ultraprocessados.

Além do CNS, na versão de 2014, o Ministério da Saúde também debateu o guia com a Associação Brasileira de Saúde Coletiva (Abrasco), Conselho Nacional de Segurança Alimentar e Nutricional (Consea), Sistema Conselho Federal de Nutricionistas e Conselhos Regionais de Nutricionistas (CFN/CRN) e na RedeNutri, por meio de um ciclo de discussões. Realizou ainda três meses de consulta pública onde foram recebidas 3.125 contribuições de diferentes pesquisadores, ativistas e instituições.

Para o CNS, o processo participativo evidencia a qualidade do material, com diferentes olhares e evidências técnicas para que o Guia possa ser um referencial na implementação de ações no Sistema Único de Saúde (SUS) e outros órgãos ligados à pauta. Segundo Myrian Cruz, coordenadora da Comissão Intersetorial de Alimentação e Nutrição do CNS, o documento de 2014 deve ser mantido.  “Reafirmamos a defesa do documento de 2014, referendada por nossa recomendação em comemoração aos 5 anos do Guia. Foi uma conquista a produção deste material orientador. Agora o Ministério da Saúde precisa usá-lo”, defendeu.

Live sobre o tema no dia 30 de setembro

Para debater o assunto, o CNS está preparando uma live sobre o tema que deve ocorrer com conselheiros e especialistas ainda este mês, no dia 30 de setembro. Em breve, os canais do CNS divulgarão mais informações.

Leia a recomendação do CNS na íntegra

Conheça o Guia Alimentar de 2014

Foto: Sesc SP

Ascom CNS

registrado em:
Fim do conteúdo da página